Bruno Dulcetti



Arquivos:

Categorias:

  • Amizade:

  • Artigos

  • Links:

    O meu, o seu, o nosso espaço!

    » De xiita e louco todo mundo tem um pouco.

    E ae pessoal.

    Estou meio sumido, é verdade, o Blog tah meio paradão, admito isso. Mas to passando por umas paradas ae, dificuldades, stress, bolações, etc. Mas isso não vem ao caso agora.

    To aqui para falar de um assunto que vira e mexe cai na boca do profissional web. Não só da web, mas como é o meu ramo e o da maioria (se não for geral) de todos aqui.

    Estou falando do famoso xiismo existente, e falarei mais exatamente no xiismo entre “flasheiros” e “webstandareiros”. Falarei também sobre linguagens server side, etc.

    Webstandeiros vs. Tabeleiros

    Creio que praticamente todos já passaram um pouco sobre um “xiismo”, seja lá qual for o assunto ou tecnologia. Hoje estamos vendo o “Boom” Webstandards, por exemplo. Por incrível que possa parecer, ainda existem pessoas que têm um certo preconceito, medo, aversão ao assunto.

    Isso me impressiona, pois mesmo mostrando as vantagens, o quanto eh vantajoso, bom, o pessoal ainda cisma em falar que não é legal, não vê vantagem, dá trabalho, etc.

    Mas que dá trabalho, dá sim Bruno.

    Logicamente. Por acaso você já viu alguma coisa boa, bem feita, que fosse simples, ridículo de fazer ou que não desse nenhum trabalho?

    Muitas vezes, o problema dos desenvolvedores que ainda não aceitaram seguir os padrões como método de desenvolvimento, é que dá um certo trabalho, é demorado, etc. Com isso, acabam não pensando no resultado final do produto, do trabalho feito, não pensam no cliente, pensam em si mesmo, no trabalho que irá ter, que é um saco, entre outras coisas.

    Concordo que é cada um com seu cada um e eu estou aqui pra mostrar o meu. E na minha opinião, acho errado pensar dessa forma, no próprio nariz ao invés de pensar no trabalho final a ser apresentado pro cliente.

    Mas é tão fácil fazer sites em tabelas, no modo visual Bruno.

    Concordo plenamente, com certeza. Mas concorde comigo também, o resultado é muito inferior em relação a código, futuras implementações e modificações no layout e compatibilidade em browsers, dispositivos móveis, acessibilidade, etc.

    Flasheiros vs. Webstandeiros

    Temos também um pouco do xiismo de quem mexe com o Flash, sempre acham que o flash eh a melhor jogada, a melhor saída, por que nele você anima, você tem alguns diferenciais, etc.

    Às vezes abominam o uso de sites em xHTML, citam que no flash podemos trabalhar com sons facilmente e com qualidade, vídeos, etc…

    É verdade… Concordo com muita coisa nessa visão, mas acho que muitas vezes há um pouco desse xiismo, desse exagero por parte dos flasheiros, muitos desconsideram a parte de acessibilidade dos sites em flash, da usabilidade de alguns sites, da má indexação por parte dos buscadores como o Google, Yahoo, MSN, entre outros…

    Ah Bruno, mas você também está esquecendo desse pessoal xiita de webstandards

    Relaxa, falarei agora sobre isso.

    Webstandeiros vs. Flasheiros

    Agora o papel se inverte. O pessoal que trabalha com webstandards contra-ataca os flasheiros, dizendo, como disse acima, a má indexação no Google, baixa acessibilidade, usabilidade muito mais frágil, etc…

    Como disse mais acima, é uma verdade sim, mas também não podemos esquecer o poder do flash. Webstandards/CSS é poderoso, com certeza. Conseguimos resultados surpreendentes, quem conhece o CSS Zen Garden sabe muito bem disso, mas também conseguimos resultado surpreendentes com o Flash, que é uma ferramenta brilhante, com a possibilidade de animação e utilização d som, podemos conseguir resultados muito bons. Já mostrei alguns aqui na Categoria Colírios.

    E também não podemos esquecer que temos classes no AS2 de acessibilidade, etc. Não sei como utilizar, nunca utilizei, etc, mas dizem que é legal.

    Não sei dizer quais sites a utilizam, percentagem disso, se funciona, se realmente é bom. Mas sei que a Adobe deve estar caindo dentro disso no AS3 e futuras versões. Mas também sabemos que são pouquíssimas as pessoas que a utilizam e se utilizam, da forma correta e funcional.

    Resumindo

    Os dois modos de trabalho são muito bons. Tanto Flash quanto Webstandards são excelentes escolhas para criação de sites. Mas claros que temos que ter um pouco de bom senso, foco principal, público alvo, entre outras coisas.

    Criar um portal gigante, de notícias, ou similar, fazê-lo em Flash é um pouco arriscado, tanto pelo trabalho, quanto pela sua utilização e acessibilidade.

    Mas se você, por exemplo, é um designer, alguém que mexa com arte, etc, pode abusar do flash, utilizar recursos visuais, entre outras coisas (logicamente, sem exageros).

    Finalizando (Finalmente)

    Termino aqui esse meus post, sobre minha visão sobre esse xiismo existente na web. Antes de falarem mal de uma tecnologia ou de outra, primeiro pesquisem sobre cada uma delas para saber os pontos fracos e fortes, para depois questionar, etc.

    E não ficar falando por ae que trabalhar nos padrões é frescura, padrões foram feitos para serem quebrados (aff…), que flash é pesado e lento, entre outras coisas. Quando o trabalho é feito por profissionais mesmo, o resultado é totalmente satisfatório.

    É isso… Akele abraço cambada.

    [ 12/out/2006 às 16:58hrs ] [ Por Bruno Dulcetti ] Comentários 5 Comentários |

    Categorias: Flash,Tecnologia,Webstandards

    5 Comentários no Post "De xiita e louco todo mundo tem um pouco."

    Postar no Rec 6

    1. O grande problema que enfrento no meu trabalho com relação à adesão dos padrões, é em como criar portal de conteúdo utilizando os padrões? Já mostrei alguns pra galera mas ainda não os convenci…
      Alguém tem sugestões de links de grandes portais de conteúdo seguindo os padrões?

      Abraços

    2. Grande Bruno!!
      Na verdade acho que o problema não são nem os Webdesigners, nem os Webstandeiros e muitos menos os Flasheiros! Acho que o grande problema é a própria cultura dos empresários nesse País! A grande maioria é muito amador! Tem um negócio na marra e sobrevive na corda bamba sempre! Claro que eles têm dificuldades para abrir uma empresa, construir um negócio, mas o problema é quando eles estão com uma determinada situação e “resolvem incluir a sua empresa na internet”. Feito isso começa a saga do convencimento! Os ditos “empresários” sequer sabem pra que querem um site! Aí é que eu acho que perdemos espaço pra todo tipo de micreiros de plantão!
      Quanlquer webdesigner com um mínimo de bom gosto e entendimento sabe que ou vai saber que os padrões web são o único meio de chegar ao ROI do seu cliente e conseqüentemente ao próprio sucesso!
      Mas até lá, vamos discutindo e tentando achar soluções sadias e inteligentes aos negócios dos nossos clientes e aos nossos também!!
      Abraços!!!

    3. Excelente Post.

      O ruim, é que teremos de conviver com essas situações durante um bom tempo ainda 😀

      Abraços

    4. No meu estágio havia este problema com relação a fazer o pessoal “superior” aderir aos WebStandards.

      Ainda bem que no meu emprego atual, fui contratado justamente por ter conhecimentos da área.
      Aqui, profissionais de Flash e padrões trabalham juntos, isso que é legal.

      Cada um tem suas preferências, mas no momento de fazer um trabalho bem feito, deve ser desenvolvido o que melhor convir ao briefing realizado.

    5. Como disse o Cristiano aí em cima o grande problemas são os empresários que não fazem idéia do que é a Internet e não só os empresários mas tb donos de agências famosas com grandes clientes q ainda desenvolvem fora dos padrões.

      Já fui a uma entrevista que certamente não fiquei com a vaga pq disse que desenvolvia nos padrões e fazia sites tableless. Vai entender…

    Tá esperando o quê? Comenta logo.

    
    Copyright © 2005 Bruno Dulcetti | Creative Commons
    Bruno Dulcetti atuante na área de desenvolvimento web / webdesign e colaborador na área de webstandards pelo Blog BrunoDulcetti.com - blog. Atuante na área desde 2000. Atuando na cidade de Niterói/RJ - Brasil. E-mail: bruno@brunodulcetti.com